Pages

terça-feira, 20 de junho de 2017

O amor que fica.




Eu ainda sinto falta dele.


Não tenho como começar a escrever sem falar isso. Depois de todo esse tempo e tudo o que aconteceu, eu ainda sinto falta desse desgraçado. Sei que falta alguma coisa, e sei que não é alguma coisa, é alguém. É o bendito. Ele mesmo. Aquele que não me quer. Aquele que nunca quis da maneira certa. Que não pensa mais em mim. Que brincou comigo de uma maneira cruel. Que foi embora para nunca mais voltar.


Eu sinto falta até do cheiro dele. Sinto falta de acordar e encontrar ele se enfiando na minha cama, ou da sua cachorra latindo por atenção. Sinto falta de olhar pro lado e ver ele babando no travesseiro na fronha ou pegar ele me olhando enquanto dormia. Sinto falta do relógio dele na minha cabeceira, e do cheiro de casa do seu xampu no meu travesseiro. Sinto falta das escovas de coração que se completavam na minha pia. Sinto falta dos beijos nas costas. Sinto falta das nossas roupas combinando e das nossas manias estranhas até mesmo na rua. Eu sinto falta do tênis verde que ele amava, e até mesmo das suas camisas de botões.


Eu me redescobri desde que ele partiu. Eu literalmente renasci das cinzas. Mas não importa o tempo que passe, eu ainda sinto falta dele. E sinto falta de mim também. De como eu acreditava nele. De como eu amava ele. De como eu sempre imaginava o nosso futuro juntos. Eu sinto falta de quem eu era ao lado dele também. Sinto que depois que ele foi embora eu deixei de acreditar um pouco. Ainda não sei se deixei de acreditar em mim, ou só no amor mesmo.


A minha vida mudou, a dele também. Eu conquistei várias coisas (e desejei ele do meu lado em todas), e sei que ele conquistou mais ainda (quis muito estar ao lado dele também). Desde que ele decidiu me virar as costas em frente ao bosque que era nosso, eu nunca mais fui a mesma. Eu nunca mais comi pão de queijo, nem brigadeiro com sorvete tablito. Eu nunca mais ouvi as músicas que a gente ouvia junto. Eu nunca mais assisti nenhum filme que vi com ele (e eu adoro rever filmes). E nunca mais parei de sentir a falta dele. Seja dentro do carro, seja na sala de cinema, seja no sofá de casa, seja quando minha mãe faz almoço aos domingos. Às vezes eu sonho que nada disso aconteceu, e ao acordar sem ele ao lado, sinto meu coração quebrar mais um pouco por causa da saudade.


E às vezes, eu penso que talvez essa saudade nunca passe.


Talvez eu nunca mais ame alguém do jeito que eu amei ele. Talvez o sofá da sala sempre pareça vazio, e o meu travesseiro sempre falte o cheiro do xampu dele. A escova de dente. O perfume da Boticário. O relógio. Talvez tudo isso permaneça fazendo falta. Talvez outra pessoa chegue, com outro xampu, outro perfume, outro relógio, outras manias. Mas o espaço vazio talvez nunca mais se complete.


Eu acho, honestamente, que ele era o amor da minha vida. Eu só queria que eu fosse o amor da vida dele também.


8 comentários:

  1. WOW! Me vi alguns anos atrás, pensando exatamente assim... sentindo a falta de um amor que eu sentia, mas eu não era o amor dele... A parte boa é que o tempo mostra que estamos errados... basta a gente olhar com atenção os sinais... rs
    Bjks!

    https://mundinhodahanna.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. "Eu acho, honestamente, que ele era o amor da minha vida. Eu só queria que eu fosse o amor da vida dele também." Quando eu li essa frase meu coração acelerou de um jeito, sabe quando tu se identifica e sente isso aqui dentro, com o coração correspondendo te dando a certeza de que sim, essa parte aqui foi pra você? Obrigada pelo texto, Amanda. É sempre lindo quando rola essa conexão entre as palavras <3

    ResponderExcluir
  3. Your photos are so beautiful, love your blog! :D xx

    elizabeth ♡ ”Ice Cream” whispers Clara
    (lets follow each other on bloglovin or instagram)

    ResponderExcluir
  4. Olá Amanda
    Que texto lindo e reflexivo.
    Quem nunca né non????
    A personagem do seu texto traz em si um pouquinho de todas nós em algum momento de nossas vidas amorosas rsrs
    A parte que diz: sinto falta de como eu era quando estava com ele é super real.
    Acho que sentimos falta de nós mesmas
    E que venham novos amores!
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Amanda que texto lindo!

    Situações completamente diferente da minha ,mas mesmo assim posso entender essa dor.
    Mas um dia ,eu acredito , eu preciso acreditar, sempre deixar a dor menor e vem outras pessoas ,outras vitorias,outros risos e lagrimas.O importante é que a roda sempre gira.

    Bem ,mas hoje eu vim aqui para te dar uma boa noticia! Te indiquei par o "Premio Mistery Blogger".Parabéns gata.
    Prêmio Mistery Blogger

    ResponderExcluir
  6. Eu tambem sinto falta dela, dos cabelos no meu rosto de madrugada e de esquentar seus pés nas noites frias. Sinto falta de queimar as coisas na cozinha e receber uma bronca, vê-la ficar brava e ir para o sofá da sala esperando eu pedir desculpas com beijos no pescoço... sinto falta da cama quentinha com ela deitada ao meu peito reclamando por eu ter que ir embora,dos animais fofos que chamavamos de momo, e por mais que eu esconda dia apos dia por vivermos em um mundo muito distinto, sinto falta dos momentos em que a fiz mais mulher e que ela me fez mais homem, das formaturas, dos papeis picados com frases que jamais esquecerei, das fotos espalhadas na cama e das petalas de rosa jogadas ao chao,dos presentes, das aprontadas em momentos intimos e do seu suspiro ao receber o meu beijo, macio e molhado... o destino foi cruel com ambos, as cicatrizes ainda marcam o meu coração,as brigas que ainda tento entender me sufocam e os erros que cometemos um com o outro foram idiotas. Mas a saudade ainda é maior do que a dor, sendo assim por mais que o tempo passe e as coisas mudem nenhum jardim terá flores tão lindas assim como foi o nosso amor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aposto que ela também sente sua falta, muito mais até do que possa demonstrar, mas vejo que no fim ela entendeu que só sentir saudade ou só falar, não levam lugares nenhum, e ela queria ir a lugares infinitos com ele, lhe estendeu até a mão e o corpo todo. Então ela preferiu se resguardar e colocar nos textos um pouco dos sentimentos que carrega com ela e a saudade que machuca. Que um dia Deus o faça ser um homem, que ele lute pelo que sente e corra atrás da saudade, porque um jardim não dura para sempre ser ser regado, assim como o amor.

      Obrigada pelo comentário.

      Com amor,
      Amanda.

      Excluir